Vitória Sobre a Depressão

Versão para cópia
CAPÍTULO 8

Heroísmo sem Nome

Os Espíritos missionários descem à Terra periodicamente, com a inapreciável tarefa de disseminar a verdade, na condição de vanguardeiros do progresso e da iluminação de consciências.


Dotados de inexcedíveis valores do sentimento e do conhecimento, mergulham nas vestes carnais arrostando dificuldades e entregando-se ao ministério cora tranquilidade.


São estrelas fulgurantes em a noite escura das paixões, e o seu périplo orgânico, raramente compreendido, torna-se ura luzeiro de bênçãos para a humanidade.


Invariavelmente incompreendidos, produzem esperança e alegria onde se encontram, ampliando os horizontes do pensamento e da conduta humana de forma que se instalem novos conceitos em torno do amor e da bondade, quase desaparecidos nos relacionamentos da atualidade.


Comprometidos com os postulados a que se afeiçoaram, compreendem que a sua entrega pessoal é o caminho único para a construção da mentalidade edificante, que passa a vigorar, a princípio, penosamente, nos reduzidos grupos que se identificam com os seus ensinamentos, crescendo, a pouco e pouco, até atingirem a sublime finalidade de que se revestem.


Convidados, não poucas vezes, ao testemunho grandiloquente, elegem o silêncio e o sacrifício como instrumentos de comprovação dos ideais de que se fazem portadores, mais sensibilizando aqueles que anelam pelo mundo de bênçãos, irritando os seus gratuitos perseguidores.


Não mantendo as ambições convencionais dos ilusórios triunfos terrestres, são imbatíveis nas crenças e serviços a que se afervoram, tornando-se exemplos de força e de coragem, que estimulam as demais criaturas a abraçar os postulados que divulgam.


Ninguém lhes conhece as renúncias, em razão de jamais as alardearem, nem se dá conta dos seus sofrimentos profundos, assim como das suas preocupações permanentes, porque nunca se queixam, a todos considerando irmãos necessitados, que se alimentam do seu exemplo e da sua ação benéfica, a fim de não soçobrarem nos pelagos vorazes dos mares existenciais.


Sabem que o seu labor é constituído de percalços e problemas, porquanto têm como finalidade modificar o pensamento vigente, facultando a visão elevada em torno da vida e dos seus fundamentos, de forma que o sofrimento e toda a hediondez então vigentes, cedam lugar ao anelado período de paz e de fraternidade.


Profundamente vinculados aos Mentores espirituais, obedecem-lhes o comando sutil e nobre, empenhados no compromisso, sem pausa para os decantados prazeres sensoriais, nem aplicação indevida que o tempo faculta, nas frivolidades e descaminhos do mundo convencional.


A sua existência propicia bem-estar, porque a psicosfera ambiental é por eles afetada de maneira positiva, gerando o clima de equilíbrio necessário à edificação humana.


Representam o psiquismo cósmico ao alcance dos transeuntes físicos, de tal forma, que sempre experimentem alegria de viver e de lutar.


* * *

Eles, os nobres missionários do bem, encontram-se em toda parte, nas diferentes áreas da beleza e do conhecimento, da fé religiosa e da investigação científica, em nome do Dispensador de dádivas, de modo a transformar a Terra numa escola de iluminação e de experiências superiores conforme deve ser.


Realizam jubilosos o heroísmo sem nome da vera fraternidade.


A sua presença atenua os dissabores, esbate as trevas da ignorância, proporciona confiança, porque estão incumbidos de restaurar o poema da caridade cantado por Jesus nas inolvidáveis bem-aventuranças, e por Ele vividos em toda a Sua trajetória sacrificial.


Pacientes e ternos, são dóceis à comunhão que deve existir entre todas as criaturas.


Perseverantes e gentis, não se exasperam quando os resultados dos seus esforços não se coroam de êxito, porque compreendem que o tempo é o grande benfeitor de todos, logrando realizar no futuro o que hoje apenas se esboça.


Tranquilos e ardentes, são amorosos e confiantes, mas convictos do quanto devem realizar, nunca cedendo às insinuações do mal ou da sombra.


Investem todos os haveres que, por acaso possuam, na execução da obra, jamais retirando quaisquer benefícios das aplicações feitas, dando a impressão de não haverem realizado nada digno de destaque.


Quando incompreendidos, como normalmente sucede, não esmorecem, antes mais se afervoram, porque dão-se conta do imenso atraso em que estagiam aqueles para cujo bem vieram, transformando espinhos de ingratidão em flores de esperança e bastões de sustentação emocional.


Facilmente podes identificá-los pelo odor de amizade espontânea, pela irradiação das claridades diamantinas do Senhor, de que são portadores.


Busca-os e ajuda-os com a tua cordialidade, ouvindo-os com respeito e meditando em torno dos seus ensinamentos.


Transforma-te em parceiro do seu ideal, oferecendo-lhes afeição sincera para abastecê-los nos períodos de estio moral, quando as dificuldades se apresentam mais desafiadoras.


Procura impregnar-te da serenidade que vivem, a fim de experimentares o incomum prazer da solidariedade sem jaça.


Nunca foram tão necessários, quanto nestes dias de glórias e de desolação, de conquistas superlativas e de vazio existencial, de júbilos ilusórios e de graves desencantos emocionais.


Enviados pela Providência Divina ao mundo conturbado, são os construtores do amanhã, que estão colocando os alicerces dos tempos melhores que virão.


Aprenderás com eles as lições de misericórdia e de afabilidade que te faltam no momento, a fim de que, delas possuidor, sintas a ímpar alegria da saúde integral, da autorrealização, mesmo que permaneças em combate contínuo contra as forças desagregadoras do mundo íntimo em contínuo litígio…
* * *

Esses teus irmãos, cujas luy. es fazem lembrar um arco-íris, são embaixadores do Amor para dar notícias da imortalidade, na qual te encontras mergulhado, oferecendo subsídios para os enfrentamentos, ferramentas de bondade para os embates e encorajamento para a vitória inevitável sobre todas as conjunturas afligentes.


Ouve-os com enternecimento e deixa-te conduzir pelas suas vozes, sem que se faça necessário o abandono do teu livre-arbítrio, certo de que, mesmo antes da desencarnação, experimentarás o inebriante júbilo que defluí do coração tranquilo pelos atos corretos praticados durante a existência.




Acima, está sendo listado apenas o item do capítulo 8.
Para visualizar o capítulo 8 completo, clique no botão abaixo:

Ver 8 Capítulo Completo
Este texto está incorreto?