No Limiar do Infinito

Versão para cópia
CAPÍTULO 21

AMOR E VIDA

Embora as severas vinculações humanas com o culto egoístico ao utilitarismo, vige o amor abençoando as criaturas em variadas e formosas expressões.


Apesar das demoradas experiências humanas na belicosidade destrutiva, o amor é que edifica povos e civilizações, transmitindo para a posteridade o cabedal de sabedoria e de cultura com que se imortalizam homens e nações.


Não obstante a carreira desenfreada da criatura na busca das sensações grosseiras, manifesta-se o amor nos ideais de santificação e liberdade.


Conquanto o hediondo espetáculo da miséria econômica e social o amor enriquece as mãos e os corações para o ministério da caridade.


Apesar dos excessos atuais nos rumos da anarquia e da perversidade, o amor arma de misericórdia as mentes e os sentimentos para que o sacerdócio da Medicina e da Enfermagem enfrente a guerra levando ajuda aos tombados e vencidos.


Sem embargo, os altos índices da criminalidade, deixando entrever que o homem perdeu o rumo do bem, o amor está levantando santuários de esperança na Terra, pensando feridas e sacrificando-se à justiça.


O amor, considerado morto nestes dias de imediatismo, encontra-se, porém, vivo e vitaliza criaturas incontáveis, a fim de que mais rapidamente haja uma mudança nas estruturas, como balizas de luz demarcando o início do milênio porvindouro.


O amor transita anônimo enxugando suores e limpando feridas, mãos alongadas no ministério do auxílio, elaborando o mundo melhor por que todos anelamos.


Há o amor de mães e de pais estoicos que se anulam no sacrifício e na abnegação, apagando os próprios ideais e renunciando-se, a fim de que os amados triunfem.


Há o amor de esposos nobres que silenciam ultrajes e ofensas, atestando que a honra e a coragem constituem os êmulos para a segurança e a felicidade.


Há o amor fraternal, alargando fronteiras, como antídoto eficiente aos males que

solapam os alicerces sociais do mundo moderno. Sempre o amor!


O amor é a presença de Deus no coração, dinamizando a paz, embora o rugir das tempestades em volta.


Por que o amor?


Amor é Vida.


O ódio asselvaja. O amor acalma.


O ciúme desequilibra. O amor harmoniza.


A cólera envenena. O amor sustenta.


A sensualidade brutaliza. O amor dulcifica.


A inveja envilece. O amor eleva.


A maledicência denigre. O amor aclara.


A calúnia indignifica. O amor levanta.


O rancor desorganiza. O amor educa.


A violência animaliza. O amor conforta.


A agressividade destrói. O amor edifica.


A fúria enlouquece. O amor tranquiliza.


A ignorância rebaixa. O amor salva.


A vaidade intoxica. O amor libera.


O orgulho perverte. O amor ampara.


Em tudo o amor tem preponderância.


O amor sobrevive.


O amor de Deus, que engendrou a Criação, é o hálito da vida.


A harmonia do amor aciona o mecanismo dos mundos mediante as leis sábias da gravitação universal.


O amor, a manifestar-se no sol, nutre e sustenta a vida em todas as suas expressões na Terra.


As paixões inferiores fazem queimar enquanto o amor aquece sem ferir.


Por amor, Jesus se transferiu do sólio do Altíssimo a fim de conviver com os

homens, suportá-los, auxiliá-los e erguê-los às culminâncias da munificência de Deus.


Fora, portanto, do amor, não há felicidade, porque o amor é a base para a caridade.


Sem o amor não vige o perdão, nem a justiça realiza o seu mister, fazendo-a derrape na impiedade.


Só o amor possui o élan vital para erguer a criatura ao seu Criador num sublime processo de união e ventura.


Disse Jesus: "Amai a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a vós mesmos. " Em tudo e todos o amor. Eis porque o amor.






FIM





Acima, está sendo listado apenas o item do capítulo 21.
Para visualizar o capítulo 21 completo, clique no botão abaixo:

Ver 21 Capítulo Completo
Este texto está incorreto?