Dimensões da Verdade

Versão para cópia
CAPÍTULO 34

CONSIDERAÇÕES

Gemendo, no solo, aterrada, clamava a pequenina semente: "Que será de mim, esmagada neste abismo de sombra e morte’? E, tendo morrido, renasceu em vetusta árvore que espraiou sombra protetora, flor perfumada e fruto saboroso, em vasta gleba verde jante e nobre.


Retorcido, em brasa viva, sofrido pelo malho e a bigorna, murmurava, sem resistência, a lâmina de ferro: "Que me acontece sob tortura que me aniquila, desrespeitando minhas forças"? E, submetido à vontade do metalúrgico, converteu-se em segurança, numa ponte grandiosa.


Picada pela abelha diligente e operosa, reclamava a flor: "Por que me roubam poluem e néctar, candidatando-me à extinção, em violenta morte prematura"? Todavia, enquanto cede, fecunda-se e, ao morrer na haste, revive no mel que atende a colmeia feliz mais além.


Extirpado da furna em que se enclausurava, grita, sob vigorosos golpes, o humilde carbono cristalizado: ‘‘Destroem-me, levando-me a nada, eu que venho da poeira dos milênios, em transformações intérminas". Ferido, no entanto, e habilmente lapidado engastado em precioso adereço, fulge iridescente e valorizado.


* * *

Não olvides o impositivo da disciplina no programa da educação em família, preparando os que vivem contigo e seguirão a longa via por onde deambulas.


O mundo está miniaturado no lar.


A família é a sociedade em embrião.


O indivíduo é o próton do átomo social.


Quando o lar desarmoniza, a sociedade cambaleia.


Sem a submissão aos impositivos do respeito à ordem e da valorização do caráter, com amplas considerações à honra, são improfícuas quaisquer arregimentações doutrinárias desta ou daquela filosofia, tendo em vista um mundo melhor ou uma sociedade mais feliz.


Tergiversando com o velho-novo Código do Sinai, abrasado pelo calor da loucura que grassa, infrene, levando de roldão aspirações superiores e condutas irreprocháveis, justificando a criminalidade e a degenerescência estarem em toda parte, o homem de bem coopera com o desequilíbrio e a insânia por comodismo e assimilação, para despertar, logo mais, vencido e desesperado.


* * *

Por essa razão o cristão espírita não se deve permitir veleidades e aspirações rocambolescas, longe do impositivo kardequiano: "O verdadeiro espírita é um verdadeiro cristão".


Como cristão verdadeiro entendemos o homem que se renova interiormente cada dia para melhor, plasmando, pelos atos corretos, uma mentalidade mais elevada em relação a ele e em torno dele.


Vivendo o século do áureo poder de Roma, em que o imediato da posse e da força elegia os seus comandantes, cantados por menestréis da frivolidade, nas galerias da honra transitória, Jesus chamou humildes e sonhadores corações que, entre escravos e gente considerada de má vida, aspiravam por uma Era Nova, e com eles renovou os conceitos de honra e de valor, conduzindo várias gerações pelos caminhos da sublimação, num legado de esperança e consolo aos que se encontram, ainda hoje, atados aos eitos da mentira e da ilusão, adorando as paixões e as vacuidades que logo passam...




Acima, está sendo listado apenas o item do capítulo 34.
Para visualizar o capítulo 34 completo, clique no botão abaixo:

Ver 34 Capítulo Completo
Este texto está incorreto?