Garimpo de Amor

Versão para cópia
CAPÍTULO 31

Amor e Jesus

Amor e Jesus são termos da mesma realidade.


Em pleno tresvariar da ética, dominada pelo poder da força, no auge dos preconceitos e da hegemonia dos ambiciosos conquistadores terrenos, Jesus, o Pacificador, revolucionou o pensamento vigente e propôs com estoicismo invulgar: — "Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado. " Ninguém antes d’Ele se atrevera a um desafio de tal natureza, porque todos sempre se colocaram sob as asas do desamor que comandava as mentes e os corações.


Ele, porém, não. Pairando, sobranceiro, acima das disputas e chacinas guerreiras, dos interesses mesquinhos e enlouquecedores, das situações de brilho fugaz, dedicou-se a amar todas as criaturas, indistintamente, vivendo com simplicidade e harmonia, a fim de demonstrar que somente o amor pode conduzi-las com segurança ao porto da felicidade.


Nunca relatou qualquer problema, nem apresentou acusação de natureza alguma, considerando que os seres humanos ainda se encontravam - e se encontram, de certo modo - em estado de infância espiritual, cujo amadurecimento depende exclusivamente do amor, a fim de crescerem com segurança, distantes dos perigos de degeneração ou de recuo ao primarismo de onde procedem.


Estabeleceu, nesse amor, os princípios básicos para a sua vigência e prosseguimento: a simplicidade, o respeito pelo próximo, a bondade para com ele, o desinteresse pessoal ante a necessidade do outro, a compaixão, a perseverança nos propósitos delineados...


À semelhança do Sol generoso que dá vida aos bons e aos maus, aos nobres e aos plebeus, aos ricos e aos pobres, aos simples e aos fátuos, sem qualquer distinção, o Seu é o amor que não seleciona, espraiando-se como claridade diamantina para que dilua toda sombra em predomínio.


Jamais alguém se propusera a essa empresa incomum. Certamente que, antes d’Ele, diversos missionários viveram em consonância com o amor, mergulhando na meditação para vivenciá-lo, conduzindo as massas pela montanha da sublimação acima. A Sua invitação ao amor revestiu-se do Seu próprio exemplo, mesmo antes de poder demonstrá-lo mediante o testemunho incomum a que se permitiu pela via dolorosa até a cruz, a fim de que todos tivessem a demonstração da grandeza do seu conteúdo.


A revolução do amor com Ele começou em novas bases e nunca cessará, porque em cada época da humanidade e em cada estágio da evolução humana, ele se apresentará mais transcendente e profundo, arrastando as vidas que se lhe entregarão confiantes e em regime de totalidade.


Por enquanto, não obstante as formidandas conquistas da inteligência e da tecnologia, da ciência e da razão, o amor não conseguiu atingir o estágio que seria ideal, influenciando o comportamento geral para melhor, assim impulsionando a sociedade para alcançar mais elevado patamar de plenitude.


De alguma forma, no entanto, vem erguendo a ética dos direitos humanos a uma posição de destaque entre os códigos estabelecidos, engrandecendo o sentido de respeito pelas minorias de todos os segmentos sociais, ampliando a visão em torno do significado existencial, embora ainda defrontando um longo trecho que deverá percorrer até o momento de dominar as criaturas, qual Ele o fez.


Amor e Jesus são termos da mesma realidade.


Amando sempre, jamais escolheu a quem direcionar o Seu sentimento.


Nicodemos era príncipe, e buscou-O. Ele o atendeu sem qualquer deferência, inundado de ternura.


Simão, o leproso, era detestado, mas convidando-O a ir à sua casa, Ele aceitou a gentileza, e ali ofereceu extraordinária lição de amor, referindo-se à mulher que embora fosse portadora de conduta irregular, lavou-Lhe os pés com perfume...


Lázaro e suas irmãs receberam-nO no lar, e Ele enriqueceu a família com incomuns demonstrações de amor.


Um sacerdote vão e simulador, tentando perturbá-lO, interrogou-O a respeito de quem seria o seu próximo, e Ele, compadecido quão amoroso, narrou a mais notável parábola do Evangelho, a do bom samaritano.


Diante de uma mulher surpreendida em adultério, que era conduzida à lapidação por homens perversos e pervertidos também, consultado quanto a pena a ser-lhe aplicada, se a proposta por Moisés ou a que Ele ensinava, foi peremptório em relação ao amor, esclarecendo: Quem estiver isento de pecados, atire-lhe a primeira pedra. E todos afastaram-se, cabisbaixos...


Um jovem que O chamara de Bom Mestre, aparentemente desejando segui-lO, recebeu a orientação a respeito de que Bom somente é o Pai, embora Ele fosse Mestre, e, dominado pelo amor, elucidou como deveria ser feito, a fim de O acompanhar...


Conhecendo a fragilidade de Pedro, anunciou-lhe a defecção sem o censurar, porque o amava.


Sabendo dos propósitos de Judas, que era perturbado por Forças Impiedosas do Mais Além, tomado de infinita compaixão de amor, estimulou-o a que fizesse o que deveria fazer, e, após o seu suicídio infeliz, foi buscá-lo nas Regiões Inferiores...


Atordoada mulher samaritana, detestada pela raça a que pertencia e pela conduta a que se entregara, d’Ele recebeu incomum lição de vida, porque muito a amou.


Compadecido da multidão que estava esfaimada, e mesmo assim seguiaO, multiplicou os pães e os peixes, a todos alimentando, em nome do amor.


Por amor, repreendeu os hipócritas que O tentavam, os vendilhões que enxovalhavam o Templo, que deveria ser dedicado a outros misteres, os sacerdotes venais, os herodianos vulgares, os fariseus pusilânimes...


Ante Caifás, Anás, Herodes e Pilatos manteve-se em silêncio hercúleo por amá-los e identificar o estágio espiritual inferior em que se encontravam, incapazes de O entender. Apenas uma vez respondeu a um deles, certamente não havendo sido penetrado no conteúdo do que informara.


Mesmo depois de morto, José de Arimateia, que pertencia ao Sinédrio, ofereceu-Lhe o seu túmulo novo, que foi aceito, embora Ele não pudesse ou devesse falar naquele momento.


... E mesmo quando estava considerado morto e vencido, por amor retornou ao convívio dos amigos temerosos, da mãe ansiosa, de viandantes preocupados, da multidão que se reuniu na Betânia, a fim de escutar João falar sobre Ele, para, somente então, ascender aos paramos imortais...


Ninguém jamais amou, conforme Jesus o fez.


Dividiu a História da Humanidade, mais pelo amor do que pelas palavras e pelos feitos.


Ele é o símbolo do amor, porquanto, não amado, continuou amando, e prosseguirá até o fim dos evos...


Nunca será esquecido!


Na aridez do solo da humanidade, a charrua que o pode sulcar, a fim de que se renove e se arrebente em verdor, em florescência, em frutos incomparáveis, é o amor.


O amor, que procede de Deus, a Deus retorna, construindo a felicidade onde se apresente, jamais vencido, sempre triunfador.


Nunca te esqueças, em qualquer situação, a mais penosa que se te apresente, que o amor possui a solução para todas as dificuldades.


Ama, pois, sempre!






FIM





Acima, está sendo listado apenas o item do capítulo 31.
Para visualizar o capítulo 31 completo, clique no botão abaixo:

Ver 31 Capítulo Completo
Este texto está incorreto?