Garimpo de Amor

Versão para cópia
CAPÍTULO 23

Amor e espiritualidade

Amor e espiritualidade são termos da mesma equação da vida, convidando a criatura a busca de Deus.


Pode-se medir o grau de espiritualidade de um indivíduo pela sua capacidade de amar.


Quando o seu é um desprendimento que o leva a pensar antes no seu próximo do que em si mesmo, estabelecendo diretrizes de felicidade que cumpre com devotamento, distante dos tormentos do egoísmo e das paixões dissolventes, já é capaz de amar em plenitude. Isso não o impede de agir com prudência, mantendo-se em equilíbrio diante das circunstâncias e dos acontecimentos que envolvem o seu sentimento de doação.


Ao mesmo tempo, proporciona-lhe uma visão realista em torno dos seus deveres de cidadania e de autoburilamento, por entender que a proposta de ascensão espiritual é destituída de qualquer limite.


Igualmente descobre as imperfeições morais que ainda lhe tisnam o caráter, gerando-lhe embaraços que lhe dificultam mais rápida vitória sobre os empeços da marcha.


Não luta, porém, contra esses fatores de perturbação, assumindo antes uma postura de compreensão dos limites que lhe assinalam o ser, buscando amar também a esses atavismos que procedem das experiências pretéritas e que não foram ainda eliminados.


Sempre que acossado por desejos inquietadores, não se rebela, devendo procurar substituí-los por sentimentos opostos, aqueles que edificam e asserenam.


Cônscio do que pode realizar em benefício próprio, sem qualquer prejuízo para as demais pessoas, investe na luta de renovação constante, sem traumas nem ansiedades, insistindo sempre na conquista de mais amplos horizontes emocionais que o afastem das províncias de sombra e de dor por onde deambulou.


Esse esforço pessoal auxilia-o a entender os limites em que as pessoas se debatem, sem possibilidades de autossuperar-se de um para outro momento. A paciência, diante das imperfeições alheias, dá-lhe resistência para suportá-las quando se lhe apresentam em forma de hostilidade, de perseguição, de inveja, de competitividade malsã.


O amor instala-se no sentimento humano, quando se lhe abrem as portas para a entrada, evitando-se os obstáculos torpes dos interesses pessoais e das lutas de dominação, que tipificam a agressividade latente e o egoísmo doentio.


Não tendo fronteiras que o limitem ou o impeçam de avançar sempre, é atuante e compassivo, sempre disposto a servir e a enriquecer as vidas que se lhe acercam e passam a necessitar do seu hálito vital.


Em consequência, o amor não tem passado, reservando-se um intérmino presente, que se manifesta em tempo que já passou e em oportunidade que virá.


Nunca se permite ser discutido, pois que o excesso de palavras entorpeceo, enquanto que a ausência total delas, desvitaliza-o.


Não se assoberba, porque conhece o campo em que moureja, lúcido e jovial, abrindo os braços à solidariedade, passo inicial para alcançar a culminância na caridade e no perdão total.


A vigência do amor no mundo independe de ideologias de natureza política, religiosa, cultural, social. Medra em todos os segmentos em que se movimentam as criaturas humanas, sendo, naturalmente, mais emulado quando um ideal arrebatador domina a mente e o coração do indivíduo. Não obstante, independe de grupo ou de clã, porquanto, se assim não o fora, expressar-se-ia com o sentido de retribuição na facção de qualquer natureza onde se instala.


Por isso mesmo, não dissente em relação àqueles que lhe não compartem o pensamento nem o comportamento, estando atento a essa sutileza, a fim de poder ser totalmente livre, ganhando espaço e intemporalidade, com que avança no rumo da imortalidade, que é sua meta esplendorosa.


O amor é o instrumento para que a sociedade se encontre em patamar avançado de natureza moral, especialmente quando ultrapassa os níveis primários onde tem início o seu processo de fixação.


Sem dúvida, portanto, cada um expressa o amor de conformidade com o estágio de desenvolvimento espiritual em que se encontra.


Eis por que, variante e complexo, encontra-se em toda parte no Universo, particularmente na vida terrena, enlaçando todos os indivíduos no mesmo elã de alegria de viver e de cooperar em benefício geral.


A conquista da espiritualidade é assinalada pelos inúmeros passos do amor.


No primitivismo, em que a defesa do grupo é essencial para a sobrevivência, passando pelos graves combates de destruição, surgem os passos em favor do intercâmbio social, econômico, moral, desenvolvendo-se como método de crescimento tribal para tornar-se uma sociedade mais conforme a fraternidade, na qual o direito substitui a força, superando os impulsos asselvajados para transformar-se em emoções compensadoras.


Dessa forma, à medida que vão ficando na retaguarda do processo de desdobramento ético, mais aprimoradas fazem-se as formas de expressarse, aproximando o Espírito sedento de plenitude da Fonte Inexaurível de onde procede.


Quando ainda atado ao primarismo, apresenta-se como dedicação e posse, carinho e dominação, bondade e jogo de interesses, devotamento e retribuição, entrega e zelo excessivo.


Possuidor de mil faces, apresenta-se conforme o período moral que tipifica a criatura, que se sente invadida pela sua força, e nem sempre sabe decodificar-lhe a excelência, obrigando-a a submeter-se-lhe quando assume a postura exigente, muitas vezes perversa, em que se compraz.


Inegavelmente estrutura-se nos próprios enganos e caprichos, aprendendo a libertar-se de qualquer constrição, para então espraiar-se sobranceiro e gentil, nada solicitando, nada aguardando, nada impondo.


O amor é humilde, porque reconhece a energia de que se constitui, no entanto, não se permite vangloriar pelo poder de que dispõe, preferindo vencer as resistências suavemente e fixar-se imperceptivelmente, terminando por dominar o ser.


Amor, portanto, e espiritualidade, são termos da mesma equação da vida, convidando a criatura à busca de Deus.


Não deve, porém, o amor ser buscado com aflição, embora a espiritualidade seja desafiadora e necessite ser trabalhada com intensidade.


Quando se corre atrás do amor com ansiedade e sofreguidão, ele provavelmente não será encontrado, porque sempre será encontrado pacientemente aguardando...


Cada passo que dês em direção à autoespiritualização, mais próximo sentirás o amor, que te impulsionará a conquistá-la, não te permitindo deter no que já conseguiste, antes acenando-te com novos desafios evolutivos.


Renunciarás então aos dispositivos egoísticos para cresceres com o grupo social no qual te encontras, enquanto irradiarás as energias da vida em todas as direções, consciente de que a tua será a decorrência da felicidade daqueles que seguem contigo pelo mesmo caminho, e que aguardam a tua cooperação, a fim de superarem os impedimentos que os aturdem.


Na raiz da espiritualidade do ser encontra-se o amor, e no sublime oceano do amor desenvolvem-se os compreensíveis impositivos da espiritualização que liberta e sublima.




Acima, está sendo listado apenas o item do capítulo 23.
Para visualizar o capítulo 23 completo, clique no botão abaixo:

Ver 23 Capítulo Completo
Este texto está incorreto?