Diretrizes de Segurança

Versão para cópia
CAPÍTULO 83

Quando é necessária ou desaconselhável, durante o passe, a manifestação psicofônica?

Raul - Reconhecendo que o passe é a contribuição vibratória que nós poderemos doar em nome da caridade, desconhecemos a necessidade de comunicações psicofônicas durante o seu transcurso.


Encontramos em Allan Kardec, no livro A Gênese, a informação de que nós poderemos estar submetidos a três tipos ou condições energéticas ou de ações fluídicas1.


Existe fluidificação eminentemente magnética, que são as energias do próprio sensitivo, nesse caso, tido como magnetizador. Ele se desgasta Porque doa do seu próprio plasma, e a partir dessa doação sente se cansado, esgotado. Um outro nível é o das energias espirituais materiais ou psicofísicas, quando se dá a conjugação dos recursos do mundo espiritual com os elementos do médium; o indivíduo se coloca na posição de um vaso de cujos recursos os Benfeitores se utilizam. Eis quando caracterizamos o médium aplicador de passes ou passista: aquele em quem, segundo a Instrução do Espírito André Luiz2, as energias circulam em torno da cabeça, como que assimilando os valores da sua mentalização escoarem do através das mãos, para beneficiar o assistido.


Vemos que quanto mais o trabalhador se aprimora, se aperfeiçoa quanto mais se integra e se entrega ao ministério dos passes, sem cansaço, vai melhorando a si mesmo, pois, ao aplicar as energias socorristas, será primeiramente beneficiado com os fluidos dos Servidores do Além, que dele se utilizam.


Kardec ainda aponta o terceiro nível de energia que é o espiritual por excelência.


Neste caso, não haverá nenhuma necessidade de um instrumento físico. Os espíritos projetam diretamente as energias sobre os necessitados.


Assim, vemos que mesmo no segundo nível, em que encontramos o médium aplicador de passes, sobre o qual agem as entidades para atender a terceiros, não há nenhuma necessidade de incorporação desses espíritos. Os Benfeitores, comumente, não incorporam para aplicar passes, o que não impede que, uma vez incorporados, os Benfeitores apliquem passes. São situações diferentes. Uma é o indivíduo receber espíritos para aplicar passes, o que muitas vezes esconde a sua insegurança, o seu atavismo não-espírita, os seus hábitos deseducados. Ele não crê que os espíritos dele possam se utilizar sem a necessidade da incorporação. Então, muitas vezes, por um processo de indução psicológica, o espírito projeta os seus fluidos e o médium age como se o estivesse incorporado. Não se dá conta de que não se trata de uma incorporação, mas de um envolvimento vibratório, que lhe faz arrepiar.


Com isso, vamos perceber que, embora haja a atuação dos Benfeitores Espirituais no trabalho dos passes, não há nenhuma necessidade de que incorporemos espíritos para aplicá-los.


Há companheiros que ainda não foram educados para o trabalho do passe e apresentam uma atuação mais característica de distúrbio do que de ascendência mediúnica: os cacoetes psicológicos, a respiração ofegante, o retorcimento dos lábios, os gestos bruscos, estalidos de dedos, etc. ; quando nada disso tem a ver, evidentemente, com a realidade dos fluidos, da sua natureza do seu contato com os espíritos que se faz em nível mental.


—1)- KARDEC, Allan. A gênese, capítulo 14o, item 33, 29a edição, FEB, Brasília - DF 1986.



2) - XAVIER, F. C. Nos domínios da mediunidade, André Luiz, Capítulo 17o (página 165), 8a edição, FEB, Rio de Janeiro - RJ. 1976.




Acima, está sendo listado apenas o item do capítulo 83.
Para visualizar o capítulo 83 completo, clique no botão abaixo:

Ver 83 Capítulo Completo
Este texto está incorreto?