Pensamento de Emmanuel (O)

Versão para cópia
CAPÍTULO 27

Paz

Conservar a paz, em Cristo, não é deter a paz do mundo. É encontrar o tesouro eterno de bênçãos nas obrigações de cada dia. Não é fugir ao serviço; é aceitá-lo onde, como e quando determine a vontade d’Aquele que prossegue em ação redentora junto de nós, em toda a Terra.


(V. L.)


Não acreditemos em paz ambiencial sem paz dentro de nós mesmos.


(R – 12/948)


A fortuna suprema do homem é a paz da consciência pelo dever cumprido.


(P. E.)


Poderá alguém insistir na obtenção da verdadeira paz, quando ainda disputa a ferro e fogo a posse de bens perecíveis?


(Ren.)


O que verificamos é que, sem a prática da fraternidade verdadeira, todos esses movimentos pró-paz são encenações diplomáticas sem fundo prático, não obstante intenções respeitáveis.


(Emm.)


Não atingiremos a paz sem desculpar os erros alheios que, em outras circunstâncias, poderiam ser nossos. . .


(Av. C.)








Acima, está sendo listado apenas o item do capítulo 27.
Para visualizar o capítulo 27 completo, clique no botão abaixo:

Ver 27 Capítulo Completo
Este texto está incorreto?