Pensamento de Emmanuel (O)

Versão para cópia
CAPÍTULO 26

No Campo dos Sentimentos

O artista verdadeiro é sempre o "médium" das belezas eternas e o seu trabalho, em todos os tempos, foi tanger as cordas mais vibráteis do sentimento humano, alcançando-o da Terra para o Infinito e abrindo, em todos os caminhos, a ânsia dos corações para Deus, nas suas manifestações supremas de beleza, de sabedoria, de paz e de amor.


(Com.)


O artista, de um modo geral, vive quase sempre mais na esfera espiritual que propriamente no plano terrestre.


Seu psiquismo é sempre a resultante do seu íntimo, cheio de recordações infinitas das existências passadas, ou das visões sublimes que conseguiu aprender nos círculos de vida espiritual, antes da sua reencarnação no mundo.


(Com.)


Toda página escrita tem ama e o crente necessita ascultar-lhe a natureza. O exame sincero esclarecerá imediatamente a que esfera pertence, no círculo de atividade destruidora no mundo ou no centro dos esforços de edificação para a vida espiritual.


(P. N.)


A música na Terra é, por excelência, a arte divina.


(Com.)


Certo, ninguém precisará viver exclusivamente de mãos-postas ou de olhar fixo no firmamento; todavia, não nos esqueçamos de que a gentileza, a boa-vontade, a cooperação e a polidez são aspectos divinos da oração viva no apostolado do Cristo.


(P. N.)


Em qualquer posição de desequilíbrio, lembra-te de que a prece pode trazer-te sugestões divinas, ampliar-te a visão espiritual e proporcionar-te consolações abundantes; todavia, para o Senhor não bastam as posições convencionais ou verbalistas.


O Mestre confere-nos a Dádiva e pede-nos a Iniciativa.


(V. L.)


A prece tecida de inquietação e angústia não pode distanciar-se dos gritos desordenados de quem prefere a aflição e se entrega à imprudência, mas a oração tecida de harmonia e confiança é força imprimindo direção à bússola da fé viva, recompondo a paisagem em que vivemos e traçando rumos novos para a vida superior.


(V. L.)


Ninguém pode imaginar. Enquanto na Terra, o valor, a extensão e a eficácia de uma prece nascida na fonte viva do sentimento.


(R. – 6/953)


A pregação do Cristo, nos lábios de um doente desamparado, tem um cunho de beleza misteriosa e singular.


(P. E.)


Religião, para todos os homens, deveria compreender-se como sentimento Divino que clarifica o caminho das almas e que cada espírito aprenderá na pauta do seu nível evolutivo.


Neste sentido, a Religião é sempre a face augusta e soberana da Verdade; porém, na inquietação que lhes caracteriza a existência na Terra, os homens se dividiram em numerosas religiões, como se a fé pudesse ter fronteiras à semelhança das pátrias materiais, tantas vezes mergulhadas no egoísmo e na ambição de seus filhos.


(Com.)


A religião é a força que está edificando a Humanidade. É a fábrica invisível do caráter e do sentimento.


(Rot.)


A razão sem o sentimento é fria e implacável como os números, e os números podem ser fatores de observação e catalogação da atividade, mas nunca criaram a vida. A razão é uma base indispensável, mas só o sentimento cria e edifica. É por esse motivo que as conquistas do humanismo jamais poderão desaparecer nos processos evolutivos da Humanidade

(Com.)


Na gradação dos sentimentos humanos, a amizade sincera é bem o oásis de repouso para o caminheiro da vida, na sua jornada de aperfeiçoamento.


(com.)


O Verbo Humano e a Palavra Escrita

O verbo humano pode falhar, mas a palavra do Senhor é imperecível. Aceita-a e cumpre-a, porque, se te furtas ao imperativo da vida eterna, cedo ou tarde o anjo da angústia te visitará o espírito, indicando-te novos rumos.


(P. N.)


O livro é igualmente como a semeadura. O escritor correto, sincero e bem-intencionado é o lavrador que alcançará a colheita abundante e a elevada retribuição das ais divinas à sua atividade. O literato fútil, amigo da insignificância e da vaidade, é bem aquele trabalhador preguiçoso e nulo que "semeia ventos para colher tempestades". E o homem de inteligência que vende a sua pena, a sua opinião e o seu pensamento, no mercado da calúnia, do interesse, da ambição e da maldade, é o agricultor criminoso que humilha as possibilidades generosas da terra, que rouba os vizinhos, que não planta e não permite o desenvolvimento da semeadura alheia, cultivando espinhos e agravando responsabilidades pelas quais responderá um dia, quando houver despido a indumentária do mundo, para comparecer ante as verdades do Infinito.


(Com.)


Os livros ensinam, mas só o esforço próprio aperfeiçoa a alma para a grande e abençoada compreensão.


(Com.)


A palavra é um dom divino, quando acompanhada dos atos que a testemunhem; e é através de seus caracteres falados ou escritos que o homem recebe o patrimônio de experiência sagradas de quantos o antecederam no mecanismo evolutivo das civilizações. É por intermédio de seus poderes que se transmite, de gerações a gerações, o fogo divino do progresso na escola abençoada da Terra.


(Com.)


O livro representa vigoroso ímã de força atrativa, plasmando as emoções e concepções de que nascem os grandes movimentos da Humanidade.


(P. V.)








Acima, está sendo listado apenas o item do capítulo 26.
Para visualizar o capítulo 26 completo, clique no botão abaixo:

Ver 26 Capítulo Completo
Este texto está incorreto?