Pensamento de Emmanuel (O)

Versão para cópia
CAPÍTULO 14

Esclarecendo

Emmanuel


Ninguém penetra o círculo da vida terrena em processo absolutamente uniforme, como não existem fenômenos de desencarnação com analogia integral. Cada alma possui a sua porta de "entrada" e "saída", conforme as conquistas próprias.


(V. L.)


Os altares e as galerias patrióticas da Terra foram sempre comprometidos pela política rasteira das paixões. Poucos heróis do planeta fazem jus a esse título no mundo da verdade. É por essa razão que a história do orbe, sendo exata no concernente à descrição e à cronologia, é ilegítima no que se refere à justiça e à sinceridade.


(Con.)


A legislação de Moisés está cheia de lendas e de crueldades compatíveis com a época, mas, escoimada de todos os comentários fabulosos a seu respeito, a sua figura é, de fato, a de um homem extraordinário, revestido dos mais elevados poderes espirituais. Foi o primeiro a tornar acessíveis às massas populares os ensinamentos somente conseguidos à custa de longa e penosa iniciação, com a síntese luminosa de grandes verdades.


(Emm.)


De vez em quando, surgem grupos religiosos que preconizam o absoluto retiro das lutas humanas para os serviços da oração.


Nesse particular, entretanto, o Mestre é sempre a fonte doa ensinamentos vivos. O trabalho e a prece são duas características de sua atividade divina.


Jesus nunca se encerrou a distância das criaturas, com o fim de permanecer em contemplação absoluta dos quadros divinos que lhe iluminavam o coração, mas também cultivou a prece em sua altura celestial.


(C. V. V.)


Com o Mestre a Regra Áurea é a novidade divina, porque Jesus a ensinou e exemplificou, não com virtudes parciais, mas em plenitude de trabalho, abnegação e amor, à claridade das praças públicas, revelando-se aos olhos da Humanidade inteira.


(C. V. V.)


A ciência será frágil e pobre sem os valores da consciência, as escolas religiosas estarão condenadas, tão logo se afastem da verdade e do bem.


(C. V. V.)


O tédio representará sempre o fruto amargo da precipitação de quantos se atiram a patrimônios que lhes não competem.


(C. V. V.)


Quem ouve, aprende. Quem fala, doutrina.


Um guarda, outro espalha.


Só aquele que guarda, na boa experiência, espalha com êxito.


(C. V. V.)


Asseverou Jesus: "Quem busca, acha. " Quem procura o mal encontra-se com o mal igualmente.


Existe perfeita correspondência entre nossa alma e a alma das coisas. Não expendemos uma hipótese, examinamos uma lei.


(C. V. V.)


O socialismo é uma bela expressão de cultura humana, enquanto não resvala para os pólos do extremismo

(Con.)


Entre julgar e discernir há sempre grande distância. O ato de julgar para a especificação de consequências definitivas pertence à autoridade divina, porém, o direito da análise está instituído para todos os Espíritos, de modo que, discernindo o bem e o mal, o erro e a verdade, possam as criaturas traçar as diretrizes do seu melhor caminho para Deus.


(Con.)


O grande erro das criaturas humanas foi entronizar apenas a inteligência, olvidando os valores legítimos do coração nos caminhos da vida.


(Con.)


A melhor ação pode, às vezes, padecer a incompreensão alheia, no instante em que é exteriorizada, mas será sempre vitoriosa, a qualquer tempo, pelo benefício prestado ao indivíduo ou à coletividade.


(Con.)


Como nos tempos mais recuados das civilizações mortas, temos de reafirmar que a maior necessidade, e da criatura humana ainda é a do conhecimento de si mesma.


(Con. .)


Com Jesus, começou o legitimo feminismo. Não aquele que enche as mãos de suas expositoras com estandartes coloridos de ideologias políticas do mundo, mas que lhes traça nos corações diretrizes superiores e santificantes.


(P. N.)


O progresso mental é o grande doador de renovação ao equipamento do espírito em qualquer plano de evolução.


(Rot.)


O quadro material que existe na Terra não foi formado pela vontade do Altíssimo; ele é o reflexo da mente humana, desvairada pela ambição e pelo egoísmo.


(Emm.)


A história da Criação, no livro de Moisés, idealizando o Senhor diante do abismo, simboliza a força da mente perante o cosmos.


(Rot.)


Ninguém salvará um náufrago sem expor-se ao chicote das ondas.


(Av. C.)


Espiritismo, espiritualismo e Evangelho

Emmanuel


O espiritismo, em sua feição de Cristianismo redivivo, tem papel muito mais alto que o de simples campo para novas observações técnicas da ciência instável do mundo.


(C. V. V.)


O Espiritismo é a luz de uma nova renascença para o mundo inteiro. Para que a sublime renovação se concretize, porém, é necessário nos convertamos em raios vivos de sua santificante claridade, ajustando a nossa individualidade aos imperativos do Infinito Bem.


(R. – 3/952)


Espiritismo sem Evangelho é apenas sistematização de ideias para transposição da atividade mental, sem maior eficiência na construção do porvir humano.


(R. – 9/948)


Ao Espiritismo cristão cabe, atualmente, no mundo, grandiosa e sublime tarefa.


Não basta definir-lhe as características veneráveis de Consolador da Humanidade, é preciso também revelar-lhe a feição de movimento libertador de consciências e corações.


(Pref. M. L.)


O Espiritismo, nos tempos modernos, é, sem dúvida, a revivescência do Cristianismo em seus fundamentos mais simples.


(Rot.)


O Espiritismo é, acima de tudo, o processo libertador das consciências, a fim de que a visão do homem alcance horizontes mais altos.


(Rot.)


O Espiritismo será, indiscutivelmente, a força do Cristianismo em ação para reerguer a alma humana e sublimar a vida.


(Rot.)


O Espiritismo, sob a luz do Cristianismo, vem ao mundo para acordar-nos.


(Rot)


.

Em nosso campo doutrinário, precisamos, em verdade, do Espiritismo e do Espiritualismo, mas, muito mais, de espiritualidade.


(Pref. N. L.)


O Espiritismo não é somente o antídoto para as crises que perturbam os habitantes da Terra; os seus ensinamentos salutares e doces reerguem, nos desencarnados, as esperanças desfalecidas à falta de amparo e de alimento; é aí que a doutrina edifica os transviados do dever e os sofredores saturados desses acerbos remorsos que somente as lágrimas fazem desaparecer.


(Emm.)


O Espiritismo é o grande iniciador da Sociologia, por significar o Evangelho redivivo, que as religiões literalistas tentaram inumar nos interesses econômicos e na convenção exterior de seus prosélitos.


(Con.)


O Espiritismo esclarece que o homem é senhor de um patrimônio mais vasto, consolidado nas suas experiências de outras vidas, provando que o legitimo fundamento da vida mental não reside, de maneira absoluta, na contribuição dos sentidos corporais, mas também nas recordações latentes do pretérito, das quais os fenômenos da inteligência prematura, na Terra, são os testemunhos mais eloquentes.


(Con.)


Somente à luz do Espiritismo poderão os métodos psicológicos apreender que a zona oculta, da esfera psíquica de cada um, é o reservatório profundo das experiências do passado, em existências múltiplas da criatura, arquivo maravilhoso, onde todas as conquistas do pretérito são depositadas em energias potenciais, de modo a ressurgirem no momento oportuno.


(Con.)


Somente com a cooperação do Espiritismo poderá a ciência psicológica definir a sede da inteligência humana, não nos complexos nervosos ou a glandulares do corpo perecível, mas no espírito imortal.


(Con.)


O Espiritismo, sem Evangelho, pode alcançar as melhores expressões de nobreza, mas não passará de atividade destinada a modificar-se ou desaparecer, como todos os elementos transitórios do mundo.


(Con.)


Espiritismo não expressa simples convicção de imortalidade: é clima de serviço e edificação.


(P. N.)


Numerosos filósofos hão compendiado as teses e conclusões do Espiritismo no seu aspecto filosófico, cientifico e religioso; todavia, para a iluminação do íntimo, só tendes no mundo o Evangelho do Senhor, que nenhum roteiro doutrinário poderá ultrapassar.


(Con.)


O espiritista sincero deve compreender que a iluminação de uma consciência é como se fora a iluminação de um mundo, salientando-se que a tarefa do Evangelho, junto das almas encarnadas na Terra, é a mais importante de todas, visto constituir uma realização definitiva e real. A missão da doutrina é consolar e instruir, em Jesus, para que todos mobilizem as suas possibilidades divinas no caminho da vida. Trocá-la por lugar no banquete dos Estados é inverter o valor dos ensinos, porque todas as organizações humanas são passageiras em face da necessidade de renovação de todas as fórmulas do homem na lei do progresso universal, depreendendo-se daí que a verdadeira construção da felicidade geral só será efetiva com bases legítimas no espírito das criaturas.


(Con.)


Irmãos e amigos. Ainda é para o estudo e a prática do Evangelho, em sua primitiva pureza, que tereis de voltar o vosso entendimento, se quiserdes salvar da destruição o patrimônio de conquistas grandiosas da vossa civilização.


(Emm.)


Confessai-vos uns aos outros, buscando de preferência aqueles a quem ofendestes e, quando a vossa imperfeição não vo-lo permita, procurai ouvir a voz de Deus, na voz da vossa própria consciência.


(Emm.)


O Evangelho do Divino Mestre ainda encontrará, por algum tempo, a resistência das trevas. A má-fé, a ignorância, a simonia, o império da força conspirarão contra ele, mas tempo virá em que a sua ascendência será reconhecida. Nos dias de flagelo e de provações coletivas, é para a sua luz eterna que a Humanidade se voltará tomada de esperança.


Então, novamente se ouvirão as palavras benditas do Sermão da Montanha e, através das planícies, dos montes e dos vales, o homem conhecerá o caminho, a verdade e a vida.


(Emm.)


O Evangelho é o Sol da Imortalidade que o Espiritismo reflete, com sabedoria, para a atualidade do mundo.


(V. L.)


O Evangelho não se reduz a breviário para o genuflexório. É roteiro imprescindível para a legislação e administração, para o serviço e para a obediência.


(O. V. V.)


Adaptarmo-nos ao Evangelho é descobrir outro país, cuja grandeza se perde no Infinito da alma.


(P E)


O Evangelho do Cristo é o Sol que ilumina as tradições e os fatos da antiga Lei.


(P. E.)


Registrarás sublimes narrações do Infinito na palavra dos grandes orientadores, ouvirás muitas vozes amigas que te lisonjearão a personalidade, escutarás novidades que te arrebatam ao êxtase; entretanto, somente com Jesus no Evangelho bem vivido é que reestruturaremos a nossa individualidade eterna para a sublime ascensão à Consciência do Universo.


(Rot.)


Grande injustiça comete quem afirma encontrar no Evangelho a religião da tristeza e da amargura.


Indubitavelmente, o sacerdócio muita vez impregnou o horizonte cristão de nuvens sombrias, com certas etiquetas do culto exterior, mas o Cristianismo, em sua essência, é a revelação da profunda alegria do Céu entre as sombras da Terra.


(Rot.)


Quando o homem percebe a grandeza da Roa Nova, compreende que o Mestre não é apenas o reformador da civilização, o legislador da crença, o condutor do raciocínio ou o doador de felicidades terrestres, mas também, acima de tudo, o renovador da vida de cada um.


(Pref. J. no L.)


Sem a Boa Nova, a nossa Doutrina Consoladora será provavelmente um formoso parque de estudos e indagações, discussões e experimentos, reuniões e assembleias, louvores e assombros, mas a felicidade não é produto de deduções e demonstrações.


(Rot.)


O Evangelho é código de paz e felicidade que precisamos substancializar dentro da própria vida!


(Av. C.)


Quem exercita a compreensão do Evangelho acende lume no próprio coração para clarear a senda dos entes queridos, na Terra ou além da morte. . .


(Av. C.)


Fé – Esperança – Caridade

Emmanuel


É necessário guardar a fé, contudo, se não a testemunhamos, nos trabalhos de cada dia, permaneceremos na velha superfície do palavrório.


(V. L.)


A árvore da fé viva não cresce no coração, miraculosamente.


(V. L.)


Ninguém pode, em sã consciência, transferir, de modo integral, a vibração da fé ao espírito alheio, porque, realmente, isso é tarefa que compete a cada um.


(V. L.)


Quando fizeres o costumeiro balanço de tua fé, repara, com honestidade imparcial, se estás falando apenas do Cristo ou se procuras seguir-lhe os passos, no caminho comum.


(V. L.)


Admitir a verdade, procurá-la e acreditar nela são atitudes para todos; contudo, reter a fé viva constitui a realização divina dos que trabalharam, porfiaram e sofreram pela adquirir.


(P. N.)


A maioria das pessoas inquietas pede alívio, apressadamente, como se a consolação real fosse obra de improviso, a impor-se de fora para dentro. Se tens fé, aprende a orar nas situações difíceis.


(R. – 8/950)


Ter fé é guardar no coração a luminosa certeza em Deus, certeza que ultrapassou o âmbito da crença religiosa, fazendo o coração repousar numa energia constante de realização divina da personalidade.


(Con)


A Ciência construirá para o homem o clima do conforto e enriquecê-lo-á com os brasões da cultura superior; a filosofia auxiliá-lo-á com valiosas interpretações doe fenômenos em que a Eterna Sabedoria se manifesta, mas somente a fé, com os seus estatutos de perfeição íntima, consegue preparar nosso espírito imperecível para a ascensão à glória universal.


(Rot.)


Os homens de fé não são aqueles apenas palavrosos e entusiastas, mas os que são portadores igualmente da atenção e da boa-vontade, perante as lições de Jesus, examinando-lhes o conteúdo espiritual para o trabalho de aplicação no esforço diário.


(P. N.)


Jesus, na condição de Mestre Divino, sabe que os aprendizes nem sempre poderão acertar inteiramente, que os erros são próprios da escola, evolutiva e, por isto mesmo, a esperança é um dos cânticos sublimes do seu Evangelho de Amor.


(V. L.)


A Esperança é a filha dileta da Fé. Ambas estão, uma para outra, como a luz reflexa dos planetas está para a luz central e positiva do Sol.


(Con.)


Caridade essencial é intensificar o bem, sob todas as formas respeitáveis, sem olvidarmos o imperativo de auto-sublimação para que outros se renovem para a vida superior, compreendendo que é indispensável conjugar, no mesmo ritmo, os verbos dar e saber.


(V. L.)


Bondade e conhecimento, pão e luz, amparo e iluminação, sentimento e consciência são arcos divinos que integram os círculos perfeitos da caridade.


Não só receber e dar, mas também ensinar e aprender.


(V. L.)


O bem que praticares, em algum lugar, é teu advogado em toda parte.


(V. L.)


Quantos se dizem portadores da caridade para o mundo e relegam o lar ao desespero e ao abandono?!. . .


(R. – 11/951)


Tanto quanto no Cristianismo primitivo, puro e simples, a caridade para nós não possuí privilégios e nem fronteiras, e a fé, para manifestar-se, não reclama lugares especiais.


(R. – 12/952)


Sai, cada dia, de ti mesmo, e busca sentir a dor do vizinho, a necessidade do próximo, as angústias de teu irmão e ajuda quanto possas.


Não te galvanizes na esfera do próprio "eu".


(R. – 1/953)


A caridade para com o instrutor não é a mesma que devemos prestar ao aprendiz, e a assistência ao homem enfermo não é igual a que nos cabe dispensar ao homem robusto. A essência do bem é una em suas raízes fundamentais, mas os seus métodos de manifestação variam infinitamente.


(R. – 2/953)


As boas obras são frases de luz que endereças à Humanidade inteira.


(R. – 4/953)


A mão que escreve um livro nobre é respeitável e generosa, todavia, a mão que socorre um doente é sublime e santa.


(R. – 6/953)








Acima, está sendo listado apenas o item do capítulo 14.
Para visualizar o capítulo 14 completo, clique no botão abaixo:

Ver 14 Capítulo Completo
Este texto está incorreto?